Quadrinhos autobiográficos, zines, e grandes histórias com Cris Eiko, Paulo Crumbim e Gustavo Duarte.

Cris Eiko e Paulo Crumbim – Mesa H36

Cris Eiko, Paulo Crumbim e  Gustavo Duarte na CCXP18

Cristina Eiko nasceu em São Paulo, SP, cresceu leitora de livros e histórias em quadrinhos, e formou-se em Design. Trabalhou com animação em comerciais e longas-metragens, como “Segredo de Kells” e “Uma História de Amor e Fúria”, enquanto alimentava a vontade de fazer suas próprias HQs. Já tinha feito algumas tiras e quadrinhos para fanzines e para seu próprio blog. Em 2010, começou a desenhar, com seu parceiro, Paulo Crumbim, os “Quadrinhos A2”, HQs autobiográficas que contam de maneira bem-humorada histórias do nosso dia a dia e cujo segundo volume foi premiado com o Troféu HQ Mix de Publicação Independente de Autor em 2013. Junto com Crumbim, também criou a Graphic MSP “Penadinho – Vida”, lançada em 2015. Em 2017, lançou sua primeira HQ solo, “Culpa”, que faz parte da coleção “Ugritos”, da Ugra Press. O sexto volume de “Quadrinhos A2” tem lançamento previsto para a CCXP18.

Paulo Crumbim nasceu em Santos, São Paulo, e formou-se em publicidade. Trabalhou com animação em comerciais, séries de tv e longas-metragens como “Asterix e os Vikings” e “Uma História de Amor e Fúria”. Depois de um período de aproximadamente 2 anos na Folha de São Paulo, passou a dedicar-se somente aos quadrinhos. Em 2010, criou “Quadrinhos A2” junto com Cristina Eiko, que, atualmente, conta com 5 volumes, tendo o sexto lançamento previsto para lançar na CCXP18. Em 2015, junto com a Eiko, produziu “Penadinho – Vida” (Graphics MSP). Também é autor de “Gnut”, uma HQ online e impressa, onde cada criatura alienígena tem a sua própria língua, dos zines “Cambria /Terreno /.exe” (2017), “Um longo e surrado vestido de vidro/ Sem Mim” (2018) e “Ruído”, de 2018, pela Ugra Press (Coleção Ugritos).

Cris e Paulo são muito simpáticos. Conheci os dois durante a  CCXP17 e foram muito atenciosos comigo. Peguei autógrafo em Penadinho, Culpa e comprei uma das edições (uma por que o dinheiro não permitia pegar todas) dos quadrinhos A2.
Quadrinhos A2 são HQs autobiográficas muito bem humoradas que contam histórias do dia a dia dos dois. Você começa a ler e não para até chegar no final. Tem partes que você pensa: Cara, como conseguiram fazer isso? E abre o sorriso.Ano passado comprei o Azul, que é a terceira temporada,  e este ano pegarei mais. Além disso, durante a CCXP18, eles lançaram a sexta temporada.

Culpa, da Cris, é algo assim, você fica no chão depois que lê, a ultima frase é mortal. Pode até não mexer com você no sentido da história, mas com certeza lhe trará memórias. Lembro que falei pra Cris, “Quando li Culpa fiquei acabado” e ela “ah, desculpa”, e ri com ela.

A Graphic MSP – Penadinho – Vida ,tem uma arte e principalmente cores sensacionais! Penadinho, confesso que comprei pela capa, e para mim, é a capa mais bonita das MSP, não me canso de vê-la. A arte como um todo é a que eu mais gosto junto com Capitão Feio, embora sejam estilos diferentes. A história é mais juvenil, mas nem por isso deixa de ser boa e comovente. Conversei com o Paulo sobre a arte, a capa maravilhosa, e ele sorriu e agradeceu. Que dupla eles fazem!

Com certeza é uma mesa você precisa passar no Artists’ Alley, e já adianto que é muito difícil você conhecer os dois, ver todo o trabalho deles e não levar nada.

Gustavo Duarte – F33

@ Universo HQ

Sabe quando a arte do desenhista combina perfeitamente com a história da HQ e o personagem? É o que acontece em Bizarro, roteiro de Heath Corson e arte de Gustavo Duarte.

Conheci o Gustavo durante a CCXP17. Afila estava grande, mas valeu a pena esperar. Peguei autógrafo em Bizarro, comprei um print, ele fez um sketch para mim, e conversei um pouco com ele, afinal, a fila estava grande.

Lembro que enquanto ele desenhava eu conversava com ele (eu atrapalhando) e ele parava de desenhar para explicar umas coisas sobre a HQ e sobre sua arte.

A HQ do Bizarro é legal, muito bem humorada, a arte é demais, e realmente era pro Gustavo desenhar essa história. Podem existir pessoas que achem que ela é destinada para um público mais novo, contudo, a moral vale para todos. O história vai evoluindo de uma forma que no final tudo vai ajudá-lo a resolver um problema. Sem dar spoiler, mas seria algo como: ajude as pessoas que você também pode precisar delas e elas virão te ajudar no momento de dificuldade.

Gustavo também já desenhou Dias de Horror, Guardiões da Galáxia, Có!, que é uma HQ independente dele, e muitos outros trabalhos.

Os prints na sua mesa também são muito bons. Passe lá que você com certeza vai gostar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *